Uma linda sincronia da coevolução

Final de ano passou, comeram muito, digo, reviram os parentes e amigos. Final de disciplinas e algumas promessas que vão ser cumpridas no ano novo. Ceia de natal, passas em tudo quanto é comida e doce de figos.

Mas, como sempre a ciência não para.

Você caro leitor deve ter lido o título do post e mentalizado que vem coisa linda aí. Pois bem, não queria decepciona mas, vem coisa mais que linda, vem coisa “MARAVILINDA”. E se você não conhece, bem vai ver agora uma das mais incríveis interações e exemplos de coevolução da natureza.

Estou falando da linda interação mutualística das Vespas do Figo e as Figueiras.

Existem diversos himenópteros (abelhas, vespas e formigas), cada um com a ecologia distinta, mesmo muitas vezes se sobrepondo. Por exemplo, muitas vespas e formigas são predadoras, muitas abelhas e formigas são polinizadoras, e assim por diante. Mas, apenas um himenóptero consegue fazer algo incrível – polinizar uma figueira. A vespa do figo.

Para este post especial de natal ano novo carnaval (? espero) vou falar um pouco sobre isso!!

huge-101-506680

Fig 1: Ciclo de vida das vespas do figo, o macho não possui asas e tem morre dentro do figo que nasceu.

“Now, here, you see, it takes all the running you can do, to keep in the same place.” – “Agora, aqui, você precisa correr o máximo que conseguir para permanecer no lugar.” (Lewis Carroll, 1872) – Em tradução livre.

A superfamília Chalcidodea é uma superfamília de vespas hiperdiversa. E dentro dela temos a família Agaonidae, a única que consegue polinizar figos. Os figos não possuem as flores expostas, eu já falei disso neste post aqui!.

Mas como assim? Se o figo é um sicônio fechado como podem entrar e polinizar ele? Aqui entra a magia da realidade, a realidade da seleção natural.

O corpo da vespinha é achatado e mandíbula modificada para entrar no figo (o que impossibilita a alimentação enquanto adulto). Em palavras da minha senhora “namorosa”: “Ela é toda bonitinha!”.

Mas como se dá a entrada? Diego, você falou que era coevolução, mas não falou mais nada sobre. Você é um fanfarrão.

Calma pessoa, parafraseando um youtuber famoso, que cita Jack o estripador: “Vamos por partes”.

Primeiro vamos falar de como a vespinha entra e saí. Tudo bem?

wordpress

Fig 2: Vespas da família Agaonidae entrando em um figo. Tão bonitinhas!

A imagem ao lado ilustra como elas entram e saem! Vou explicar detalhadamente essa monoecious_life_cycle_700figura, vem com o tio.

Na figura temos dois círculos com bolinhas vermelhas e azuis dentro: São dos figos. E temos a vespinha.

No topo de cada figo temos uma linha em zig-zag que representa o ostíolo do sicônio. É por ele que elas vão entrar, e depositar seus ovinhos nas flores.

No figo rosa, temos outra abertura, essa abertura é feita pelos machos, que ficam presos dentro do figo. É triste eu sei, mas é a vida. O macho tem poucas funções, mas são funções importantíssimas. Ele é responsável por acasalar e abrir essa abertura, que é por onde as vespas fêmeas poderão sair.

Fig 4: Imagem mostrando o tamanho do macho e da fêmea, em relação à cabeça de uma agulha! O macho é o amarelo sem asa, e a fêmea é a escura alada.

E recomeçar o processo novamente. Em resumo:

  1. A vespa fêmea entra pelo ostíolo;
  2. Deposita seus ovos;
  3. A vespa ‘mãe’, também chamada de fundadora morre;
  4. Eclodem machos e fêmeas;
  5. A prole se acasala;
  6. Os machos abrem um buraco para as fêmeas fecundadas saírem.

Tudo se resume ao figo! Impressionante não é mesmo Padawans?

https://i1.wp.com/www.saevus.in/images/18-23-natural-history-9.jpg

Fig 5: A despedida 😥 (Ouça Rose, você está saindo daqui… Você está tem que continuar… E você está indo ter muitos bebês… Prometa para mim.)

E se até agora você não entendeu a grande questão da coevolução o tio aqui explica em uma oração: “Um não pode sobreviver sem o outro.”

Dicas para Cientistas Iniciantes – Google Acadêmico

Eai, jovens padawans! Tudo tranquilo?

O tio Diego resolveu criar uma série de vídeos para ajudar muitos aspirantes à cientistas a dar os primeiros passos. E vai publicar aqui no blog!

Este é o primeiro e falo do início, de como buscar artigos no Google Acadêmico (Google Scholar – em Inglês).

Espero que gostem! Que a força esteja com vocês!!

Pequenos jardins “secretos”!

Já segurou um jardim?

“O que mata um jardim não é o abandono. O que mata um jardim é esse olhar de quem por ele passa indiferente…” Mário Quintana.

Jardins estão presentes desde os temos mais remotos. Na grécia antiga havia o jardim de Hespéride, já nas religiões abraâmicas existe o jardim do Éden. Jardins são antigos mesmo, não podemos negar, porém você já segurou um em suas mãos?

Não se assustem jovens Pawdawans, o tio aqui tá falando sério. Não fiquei louco ainda, pelo menos acho. Você provavelmente já foi a uma praça arborizada, certo? Nessa praça provavelmente existem algumas árvores grandes como essa igual à da figura ao lado.

Essa árvore é uma espécie de figueira (Ficcus sp. – Não posso identificá-la por foto), bonita, tem diversas espécies de insetos que vivem nela. Mas, este ponto é para outro post. Neste vamos nos ater à beleza dela, e mais especificamente do seu fruto.

O figo não é um fruto, a primeira revelação para muitos, ele na verdade é um sicônio, um tipo especial de inflorescência. Inflorescência na verdade é o conjunto de flores juntas nas angiospermas, um documento que achei na internet fala isso

Uma inflorescência é um ramo ou sistema de ramos caulinares que possuem flores”[1].

Por sua vez o sicônio é o conjunto de inflorescência (ou infrutescência) composta de receptáculo carnudo e flores, (ou frutos inclusos) [2].

Simplificando muito, pense em um figo, pode ser aquele da lata de doce. Ou melhor, se tiver uma lata de doce de figo em casa, (e puder pegar claro!!) pegue um e abra. Você vai ver diversas flores, vai ver “um lindo jardim”. Feito de flores de figo!

Ou se tiver uma praça com figueiras com figos, olhe para o chão, você vai ver uma camada meio amarelada de pontinhos, esses são flores e frutos dos figos no chão. É legal né!

Vou ficando por aqui, mas lembrem-se desses posts que fiz por último, “Coevolução” e “Pequenos Jardins Secretos!”, pois o próximo post, vai ser relacionado aos dois.

Leitura Complementar

Figs: https://en.wikipedia.org/wiki/Common_fig (inglês) – Pois está mais completo!!!

Dawkins, R. (1997). A Garden Inclosed, In Climbing mount improbable. WW Norton & Company.

Uma introdução à seleção artificial!

Sempre quando citamos seleção natural, muitas pessoas viram a cara e dizem: “Seu darwinistinha!”, ou coisas do gênero. Eu não tenho nada contra Darwin, muito pelo contrário sou fã dele. Porém, muitas das pessoas que não aceitam a evolução comem couve, couve-flor, brócolis ou mesmo tem um cachorro.

De um ponto de vista biológico, dizer que não existe evolução biológica é praticamente dizer que não sei o que é, e por isso digo que não existe!

O tio Diego aqui, gosta muito de todos os cães, o sonho dele é ter um Husky Siberiano. Hoje o tio aqui vai contar uma história. Uma história de seleção artificial.

Era uma vez… Vamos deixar isso de lado que agora tenho que falar sério sobre seleção artificial. Concorda? Eu também.

Para falar dela primeiro vamos saber o que é: Segundo o site Understanding Evolution da Universidade de Berkley (EUA) “seleção artificial é um processo pelo qual seres humanos selecionam para ou contra determinadas características de um determinado organismo.”.

Um exemplo, você tem um monte de cachorros, de um monte de cores, você quer apenas cachorros marrons, então você começa a colocar apenas machos e fêmeas marrons para cruzarem. No começo você pode ter diversas cores como resultado do cruzamento, mas com o decorrer do tempo você vai tendo menos prole de outras cores e a cor marrom vai ficando cada vez mais presente. Você jovem padawan acaba de selecionar apenas a cor marrom para os cachorros.

Este foi um exemplo grosseiro, porém real de como funciona a seleção artificial.

Análise mostrando a origem dos cães vindas do Taymyr.

Análise mostrando a origem dos cães vindas do Taymyr.

Para simplificar e mostrar um exemplo histórico da seleção artificial eu pego o exemplo dos cães.

Os cães surgiram por volta de 27.000 a 40.000 anos atrás [1] (muito tempo, né não

Gafanhotos e Brabuletas?). Uma espécie de lobo, o Taymyr, deu origem a algumas espécies de lobos e algumas raças de cães.

Dawkins no livro “A grande história da evolução” (páginas 49 e 50, para quem quiser olhar), fala algo muito interessante sobre a evolução dos cães, vou digitar aqui:

[…] cães domésticos não descendem de raposas, mas de lobos. Aliás, hoje sabemos ser equivocada a celebre conjectura de Konrad Lorentz de que algumas raças caninas derivam de lobos(as favoritas dele como o chow-chow), mas o resto descendem de chacais Seleção artificial da mostarda selvagem (Brassica oleracea), para diversos caracteres diferentes, originando diversas plantas diferentes.[…]. Só que a taxonomia molecular leva a melhor sobre a perspicácia humana: dados moleculares mostram que todas as raças de cães descendem do lobo europeu, Canis lupus. [2]

Seleção artificial da mostarda selvagem (Brassica oleracea), para diversos caracteres diferentes, originando diversas plantas diferentes.

Temos muitos outros exemplos, como por exemplo o da mostarda selvagem, originando brocolis, couve-flor, couve e etc. Ou mesmo da banana. A banana é algo realmente fantástico, naturalmente ele tem sementes grandes, que ocupam quase toda a parte carnosa da fruta. Mas, os humanos foram selecionando apenas as que possuíam frutos pequenos e cruzando entre elas até termos as bananas com minúsculas sementes como temos hoje nas feiras e nos mercados.

Agora jovens padawan quando pedirem exemplos da evolução levem uma banana para a pessoa. E contem a história da seleção artificial.

A banana encontrada na natureza sem a intervenção humana.

[1] Skoglund et al. (2015) Ancient Wolf Genome Reveals an Early Divergence of Domestic Dog Ancestors and Admixture into High-Latitude Breeds, Current Biology, http://dx.doi.org/1 0.1016/j.cub.2 015.04.019

[2] Dawkins, R., & Wong, Y. (2009). A grande história da evolução: na trilha dos nossos ancestrais. Companhia das Letras. pp. 792. [esta edição]

Ajude o Prof. Marcos Vital

Não é de hoje que a ciência brasileira está sofrendo com a falta de verbas [1, 2, 3]. Diversos relatos tais quais da Profª. Suzana Herculano (A neurocientista de plantão) já mostravam o caos de conseguir financiamento, que vinham pela metade ou nem vinham (link aqui). Muitos pesquisadores então se viram a ter que bancar a pesquisa de alguma maneira. E uma dessas é o dito crowdfunding (em resumo é conseguir dinheiro através de pessoas que gostam da sua ideia, tipo o kickstarter).

Pela falta de verbas alguns professores e alunos estão se utilizando dessa técnica para angariar fundos para seus projetos. Um destes professores é o Professor Marcos Vital, da Universidade Federal de Alagoas.

“Oi, pessoal!

Meu nome é Marcos Vital e eu sou professor e pesquisador na UFAL, em Maceió, onde coordeno o Laboratório de Ecologia Quantitativa e ministro disciplinas de Ecologia, Biomatemática e Bioestatística (e outras coisas que costumam meter medo na galera da Biologia, rs). Eu e meus alunos estamos envolvidos com pesquisas ligadas às grandes áreas de Ecologia e Biologia da Conservação e estamos muito interessados em promover a divulgação do conhecimento científico.

No momento, temos um grande projeto em mente, que envolve produzir material didático – especialmente sobre Bioestatística e suas aplicações no R – voltado para a galera que morre de medo do assunto (já temos até um pouco de material aqui). Queremos também fazer divulgação científica com o objetivo de atingir tanto pessoas da área da Biologia quanto pessoas que não possuem formação acadêmica. A nossa grande “missão” é envolver as pessoas com a ideia de que o conhecimento científico deve ser algo sempre livre e acessível para todos. Acreditamos que promovendo isso nós estaremos fazendo algo de bacana para o mundo à nossa volta. Tendo isso em mente (e considerando o cenário sinistro para os financiamentos científicos no Brasil), nós criamos uma campanha de financiamento coletivo no Kickante para tentarmos conseguir recursos para equipar o LEQ e tocar toda esta proposta para frente.

E aí que entram vocês! Qualquer um pode contribuir, seja doando qualquer valor (pode ser apenas 10 reais, que já vão ter um grande impacto para a gente) ou ajudando com a divulgação da nossa proposta (um simples compartilhamento no facebook já é algo fantástico, pois nos ajuda a alcançar um número maior de pessoas). Nós também temos uma página no facebook, que usamos para divulgar o material que produzimos, se quiserem apareçam por lá.

Confiram a nossa campanha e contribuam um pouquinho com a gente! :D”

Kickante-logo

“Afinal de contas não custa ajudar as pessoas, principalmente quando estão querendo ajudar a entender o R.”

Ps: Filosofia do dia: “Se alguém te oferece um curso de R, em troca de você ajudar o laboratório do cara, não seja pão duro.”

Insetos e Aracnídeos são Pop!!! Um exemplo vindo da Marvel e DC

Você sabia que em um levantamento feito por Da Silva et al. (2014a) foi encontrado 232 personagens baseados em insetos nos quadrinhos da Marvel e DC? E novamente Da Silva et al. (2014b) encontrou 124 personagens baseados em aracnídeos, aqui caro leitor, não confunda aracnídeo com somente aranha, temos ácaros, escorpiões, opiliões e etc.
Legal, não é? Eu gostaria de ter feito parte disso, ler os quadrinhos, e quando me perguntassem o que eu estava fazendo eu diria com toda a propriedade estudando para publicar um paper.
Quem acompanha o blog sabe que eu fiz um post sobre o AntMan (afinal de contas, trabalho com formigas) você pode acessá-lo novamente aqui!!
Os insetos e aracnídeos são sem sombra de dúvida algo que se deve explorar na cultura

Thaumatomyrmex atrox

pop! Imagina um herói que é baseado em uma Thaumatomyrmex? Essa formiga linda aqui ao lado.

Nos mangás também temos belos exemplos disso, só para citar temos em Hunter X Hunter um arco ou algumas temporadas baseados em formigas. Mas não formigas normais, mas sim Formigas Quimeras. Cara, tem de tudo lá, coelho, gato, cachorro, caranguejo, etc. Só vi uma formiga, em toda as formigas quimera. Hahahaha.
Existem alguns filmes bem interessantes também sobre insetos, como por exemplo O ataque das formigas gigantes (filme completo no YT clica aqui).

Aos aracnídeos como não lembrar dele? O Homem Aranha, o amigo da vizinhança, o ídolo do DeadPool, o cara que deveria ter ficado com a Gwen Stace, e não com a Mary Jane. Talvez um dos heróis baseados nos animais com exoesqueleto mais amados do mundo. Da Silva (2014b) dá uma explicação do ‘boom’ de personagens baseados em aranhas ao sucesso do cabeça de teia. Ele fez tanto sucesso que era a chave para criação de outros heróis, por exemplo: Mulher Aranha (1 e 2), Agent Venom, Garota Aranha etc.
Para muitos que não sabem, aranhas não são insetos!!!
O tio Ben do Peter disse uma frase que deve estar na mente de todos os divulgadores de ciência, sim jovens, a famosa frase “Com grandes poderes vêm grandes responsabilidades”, serve muito para todos nós que divulgamos ciência.
Mas muitos tem esquecido!!! Eu não vou me alongar muito deixo aqui abaixo muitas imagens dos artigos, e abaixo vou deixar os links para download dos papers!!!

Ps: Nos papers existem diversas figuras e diversas tabelas com data de criação, poderes e etc. Boa leitura jovens gafanhotos… E não fiquei revisando o texto pois está tendo revoada de formigas, e tenho que trabalhar…

Fontes:

Da Silva et al. (2014a) – Marvel and DC characters inspired by insectsResearch Expo International Multidisciplinary Journal. 4(3), 10-36.

Da Silva et al. (2014b) – Marvel and DC Characters Inspired by ArachnidsThe Comics Grid: Journal of Comics Scholarship. 4 (1), 1-14